Prefeita de Santana do Matos pede continuidade do Mulheres Seguras

Prefeita-Lardjane-Ciríaco-em-BrasíliaAs prefeituras envolvidas no projeto Mulheres Seguras fizeram um balanço das atividades em seus municípios. A gestora municipal de Santana do Matos, Lardjane Ciriaco, avalia o projeto como bastante positivo e pede a sua continuidade. Segundo ela, é importante desenvolver outra etapa que comece na educação básica. “Esse é um trabalho que vamos dar continuidade em parceira com a educação. É primordial que faça esse trabalho desde a base pra que as crianças, ao verem situações de violência em casa, possam dialogar com a mãe ou pai”, pontua a prefeita.

Santana do Matos é proponente do projeto Mulheres Seguras entre os municípios do Rio Grande do Norte. Ainda participam da iniciativa da União Europeia e Confederação Nacional de Municípios (CNM) prefeituras de Pernambuco. Esse é um projeto piloto, implantado em abril de 2014.

– Como a senhora avalia o projeto?
O município Santana do Matos tem feito um trabalho de disseminação de informações e empoderamento das mulheres no tocante à violência de gênero no nosso município. Temos buscado fazer um trabalho de diálogo de políticas públicas em parceria com as demais secretarias de assistência, obras, infraestrutura, saúde, educação, para que as informações cheguem ao público alvo, que são as mulheres.

Em parceria com essas secretarias e a Polícia Civil, temos conseguido realizar ações juntamente com o grupo de trabalho do projeto Mulheres Seguras.Muitas vezes, as mulheres são violentadas não só fisicamente, mas também psicologicamente. Muitas vezes elas não buscam ajuda. Esse é nosso principal objetivo: que as mulheres, ao serem agredidas e se sentirem coagidas, busquem essa ajuda na Secretaria de Saúde e nos hospitais. Até mesmo denunciem à Polícia Civil. Esse é nosso objetivo, para que com as mulheres do nosso município, possamos fortalecer e dizer não à violência.

  No que, efetivamente, a prefeitura colaborou e como pode continuar colaborando com o projeto?
O município está trabalhando em ações de políticas públicas, com um grupo de trabalho de mulheres capacitadas pela União Europeia e a CNM. Ao participar de atividades de capacitação, esse grupo chega no município para executar o projeto. Há um cronograma, um trabalho em parceria com as demais secretarias para transmitir e repassar informações. Fazemos levantamentos para conhecer indicadores que são essenciais para que possamos focar num resultado futuro.

Fizemos um levantamento, andando pelas ruas da cidade, vendo onde são os lugares mais críticos, com ruas mais escuras que podem levar à violência. Essa foi uma das ações para as quais o município disponibilizou equipe das secretarias. Isso vem a contribuir pra sociedade, porque a partir do momento que a população tem conhecimento, as mulheres vão buscar ajuda.

Esse é um trabalho que vamos dar continuidade em parceira com a educação. É primordial que faça esse trabalho desde a base pra que as crianças, ao verem situações de violência em casa, possam dialogar com a mãe ou pai dizendo sobre a importância de haver respeito e diálogo na família. Esse é o trabalho do GT em Santana dos Matos. Recentemente, sentamos com as secretarias municipais para assinar o Pacto contra Violência em nosso município.

Esse Pacto é importante porque lá está o compromisso do município. É onde colocamos o que vamos fazer no trabalho de continuidade mesmo que esse projeto já esteja acabando no final do ano, mas que a rede que foi feita entre Santana dos Matos, como proponente, Jucurutu, Parelhas, Florânia e Caicó. Essa rede de continuidade no fortalecimento de políticas públicas contra a violência das mulheres. Não só no nosso município e os parceiros, mas em todo o Rio Grande do norte. É um projeto de nível nacional.

– Qual a importância do projeto?
O projeto Mulheres Seguras é muito importante, pois me sinto com a missão de dever cumprido como gestora, cidadã, mãe, filha. É um tema pouco discutido na nossa sociedade, que muitas vezes não temos conhecimento ou não tínhamos conhecimento sobre ele. Abrimos a visão. É um projeto onde abrimos os olhos dessas mulheres que viviam sendo agredidas, em uma sociedade em que o homem pode tudo e a mulher só se cala, apanha e  muitas vezes não apanha só de forma física, mas também verbalmente. É um projeto que eu espero que venha futuramente para outros gestores, até a nível nacional, e continue trabalhando políticas publicas de fortalecimento.

Fico feliz por toda a equipe e por todo o município ter abracado o projeto. Aqui a semente foi plantada. Muitas pessoas contribuíram e eu tenho certeza que quando um dia pudermos olhar para trás e ver como valeu a pena poder contribuir para o conhecimento das pessoas, para que elas possam viver uma vida mais digna. Que as mulheres possam saber que podem buscar um trabalho mais digno, mesmo como dona de casa, que elas possam ter o poder de dizer: é dessa forma que eu quero.

Gostaria de parabenizar a todas as mulheres e dizer: a luta apenas começou. Espero que os municípios gestores possam oferecer, principalmente nos hospitais e nas áreas de saúde, atendimento às mulheres agredidas, com acompanhamento psicológico, além de apoio para que saiam da situação de ameaça e violência. Minha mensagem então é: vamos continuar na luta dizendo não à violência contra as mulheres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: