NOTA DE REPÚDIO: Movimento de mulheres repudia adesivos com mensagem sexista e uso da imagem da Presidenta

Adesivos estão sendo vendidos na internet com imagens de montagens feitas com o rosto da presidenta Dilma Rousseff, onde ela aparece de pernas abertas. Esses adesivos são colados na entrada no tanque de gasolina dos carros e quando abastecidos, passam a ideia de que a bomba de gasolina está penetrando sexualmente a figura em uma montagem falsa da presidenta (Cartaz de repúdio: Pretando Arte)
Adesivos estão sendo vendidos na internet com imagens de montagens feitas com o rosto da presidenta Dilma Rousseff, onde ela aparece de pernas abertas. Esses adesivos são colados na entrada no tanque de gasolina dos carros e quando abastecidos, passam a ideia de que a bomba de gasolina está penetrando sexualmente a figura em uma montagem falsa da presidenta (Cartaz de repúdio: Pretando Arte)

O Comitê Latino Americano e do Caribe em Defesa dos Direitos das Mulheres (CLADEM) e diversas outras entidades divulgaram na última semana uma nota de repúdio contra uma campanha difamatória contra a presidente Dilma Roussef. Adesivos com uma imagens montada da presidente, de penas abertas, colocado na tampa do tanque de combustível, vem sendo compartilhado em redes sociais.

“A imagem da mulher no adesivo remete a mensagem de uma violência sexual, o que por si é uma expressão inadmissível de suportar diante do atentado a dignidade sexual que convivemos cotidianamente”, diz um trecho da nota.

NOTA DE REPÚDIO

O CLADEM, Comitê Latino Americano e do Caribe em Defesa dos Direitos das Mulheres, a Marcha Mundial de Mulheres, a Central Única dos Trabalhadores, a União Brasileira de Mulheres, a Rede Feminista de Saúde, a Secretaria Estadual de Mulheres do PT/RS, o Coletivo Feminino Plural, a THEMIS Gênero Justiça e Direitos Humanos, a Frente Parlamentar de Homens pelo Fim da Violência contra a Mulher – AL/RS, o Conselho Estadual dos Direitos das Mulheres do Rio Grande do Sul e o Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres de Porto Alegre – CONDIM, vêm expressar repúdio contra os adesivos de carro com mensagem sexista e uso da imagem da Presidenta Dilma Rousseff. Tamanho desrespeito dispensa a descrição ou a divulgação da imagem nesta nota.

A liberdade de expressão tem limites regulados em lei. Qualquer tentativa de protestar contra o aumento do combustível ou contra a chefe do Executivo brasileiro ultrapassou os direitos de imagem, e passou a configurar afirmação de violência contra a mulher. A imagem da mulher no adesivo, remete a mensagem de uma violência sexual, o que por si é uma expressão inadmissível de suportar diante do atentado a dignidade sexual que convivemos cotidianamente. Além disso, a mulher em questão é a Presidenta da República, o que reforça a violência sexista que enfrenta a mulher na política.

As mulheres brasileiras se sentem ofendidas, desrespeitadas. Expressões como essa não retratam o exercício de democracia. É escárnio, deboche, é violência contra a mulher! Vai de encontro à Convenção Interamericana pela Eliminação de todas as formas de Discriminação contra a mulher – CEDAW, que o Brasil ratificou junto ao Sistema Interamericano de Direitos Humanos.

A circulação da imagem é ato discriminatório contra as mulheres brasileiras e contra a Presidenta Dilma. Tanto em mídia eletrônica quanto nos adesivos em veículos nas cidades brasileiras. Exigimos a proibição dessa circulação pelos meios judiciais cabíveis junto à polícia e o Governo Federal, assim como a responsabilização cível e penal dos responsáveis.

Porto Alegre, 01 de julho de 2015.

CLADEM Brasil – Comitê Latino Americano e do Caribe me Defesa dos Direitos das Mulheres

Marcha Mundial de Mulheres

Central Única dos Trabalhadores

União Brasileira de Mulheres

Rede Feminista de Saúde

Secretaria Estadual das Mulheres do PT/RS

Coletivo Feminino Plural

Themis Gênero Justiça e Direitos Humanos

Frente Parlamentar de Homens pelo Fim da Violência Contra a Mulher – Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Estadual dos Direitos das Mulheres do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres de Porto Alegre

Fonte: Marcha Mundial das Mulheres RS